segunda-feira, 10 de setembro de 2012

rito

bebi para esquecer

lembrei as cores mais vivas
dentro do túnel do copo

o cheiro e o gosto

do corpo
no templo vitral
desse álcool

eu ontem

bebi à última gota
do cálice
para esquecimento
mais póstumo

eu hoje
bebo
sacramentalmente
para fazer-nos memória

2 comentários:

  1. a lembrança e o esquecimento fazem troça com a gente.
    o que queremos registrar para a eternidade, muita vez, não recebe as tintas permanentes; algumas memórias, que gostaríamos que desbotasse, não entra no rol do esquecimento.
    e a gente vai virando o cálice para calar a boca.
    bjs, Alê.

    ResponderExcluir