terça-feira, 2 de outubro de 2012

metalinguagem

anseio seda
avanço sede

líquidas linhas
cedo escorrem-me
entre dedos

em teu corpo
úmido in
fluente

caligrafo-me
ante rasgos
sonoros
de voz

de decassílabos
precoces
eu, sibilante

liberto-nos

2 comentários:

  1. e a poeta/poetisa liberta-se para uma nova e muito bem elaborada abordagem poética! Gostei, Alê! Bjks. Daniel

    ResponderExcluir